(11)-94234-6789 contato@devoltaaolar.org

Pedro esteve em Roma? (Catholic Answers)

Os protestantes dizem que Cristo nunca nomeou Pedro como o líder terreno pela simples razão de que a Igreja não tem líder terreno e que nunca foi pensada para ter uma. Cristo é o único fundamento da Igreja, em qualquer sentido possível desse termo. O papado, dizem eles, surgiu da política do século V ou VI, tanto secular quanto eclesiástica. Não foi estabelecido por Cristo, embora os supostos “sucessores” de Pedro (e seus defensores) afirmem que foi.

Uma premissa chave de seu argumento é a afirmação de que Pedro nunca esteve em Roma. Segue-se que, se Pedro nunca esteve em Roma, ele não poderia ter sido o primeiro bispo de Roma e, portanto, não poderia ter nenhum sucessor nesse cargo. Como os católicos podem falar sobre a origem divina do papado, argumentam os protestantes, quando sua afirmação sobre o paradeiro de Pedro está errada?

Como entender o argumento

À primeira vista, pode parecer que a questão de saber se Pedro foi para Roma e se morreu lá é irrelevante. E de certa forma é. Afinal, o fato de ele ter estado em Roma não provaria por si só a existência do papado. Na verdade, seria uma inferência falsa dizer que ele deve ter sido o primeiro papa, uma vez que esteve em Roma e que os papas posteriores governaram a partir de Roma. Com essa lógica, Paulo teria sido o primeiro papa também, já que era apóstolo e foi para Roma.

Por outro lado, se Pedro nunca chegou à capital, ele ainda poderia ter sido o primeiro papa, já que um de seus sucessores poderia ter sido o primeiro titular desse cargo a se estabelecer em Roma. Afinal, se o papado existe, foi estabelecido por Cristo durante sua vida, muito antes de Pedro ter chegado a Roma. Deve ter havido um período de alguns anos em que o papado ainda não tinha sua conexão com Roma.

De alguma forma a questão, embora interessante historicamente, não parece ser crucial para a questão real: se o papado foi fundado por Cristo. Ainda

assim, a maioria das organizações anticatólicas abordam o assunto e se esforçam consideravelmente para “provar” que Pedro não poderia estar em Roma. Por quê? Porque eles acham que podem tirar vantagem disso. “Se as pessoas concluírem que a Igreja Católica está errada neste ponto histórico, eles concluirão que está errada no maior, a suposta existência do papado. ” Tal é o raciocínio de alguns líderes anticatólicos.

As acusações em resumo

O caso é apresentado talvez mais sucintamente por Loraine Boettner em seu livro mais conhecido, Catolicismo Romano (117): “A coisa notável, no entanto, sobre o suposto bispado de Pedro em Roma é que o Novo Testamento não tem uma palavra a dizer sobre isso. A palavra Roma ocorre apenas nove vezes na Bíblia [na verdade, dez vezes no Antigo Testamento e dez vezes no Novo], e Pedro nunca é mencionado em conexão com ela. Não há alusão a Roma em nenhuma de suas epístolas. A viagem de Paulo à cidade é registrada em grande detalhe (Atos 27 e 28). De fato, não há evidência do Novo Testamento, nem qualquer prova histórica de qualquer tipo, de que Pedro tenha estado em Roma. Tudo se baseia em lenda. ”

Admitidamente, a Bíblia em nenhum lugar diz explicitamente que Pedro esteve em Roma; mas, por outro lado, não diz que não esteve. De fato, muito pouco é dito sobre para onde ele, ou qualquer um dos apóstolos, exceto Paulo, foi nos anos após a Ascensão. Na maioria das vezes, temos que nos basear em outros livros além do Novo Testamento para obter informações sobre o que aconteceu com os apóstolos nos anos posteriores. Boettner está errado ao descartar esses primeiros documentos como transmissores de mera “lenda”. Eles são evidências históricas genuínas, como todo historiador profissional reconhece.

O que a Bíblia diz

Boettner também está errado quando afirma que “não há alusão a Roma em nenhuma das epístolas [de Pedro]”. Há, na saudação do final da primeira epístola: “A Igreja aqui na Babilônia, unida a você pela eleição de Deus, envia-lhe sua saudação, e também meu filho, Marcos” (1 Pe 5:13, Knox ). Babilônia é uma palavra de código para Roma. É usado dessa maneira várias vezes em obras como Os Oráculos Sibilinos (5:159f), O Apocalipse de

Baruch (2:1) e 4 Esdras (3:1). Eusébio Pamphilius, em A Crônica, composto por volta de 303 dC, observou que “Diz-se que a primeira epístola de Pedro, na qual ele faz menção a Marcos, foi composta na própria Roma; e que ele mesmo indica isso, referindo-se à cidade figurativamente como Babilônia.

Considere agora as outras citações do Novo Testamento: “Outro anjo, um segundo, seguiu, dizendo: ‘Caiu, caiu a grande Babilônia, ela que deu a todas as nações o vinho da sua paixão impura’” (Ap 14:8). “A grande cidade se partiu em três partes, e as cidades das nações caíram, e Deus se lembrou da grande Babilônia, para fazê-la beber o cálice do furor da sua ira” (Ap 16:19). “E na sua testa estava escrito um nome de mistério: ‘Babilônia, a grande, mãe das meretrizes e das abominações da terra’” (Ap 17:5). “E clamou com grande voz: ‘Caiu, caiu a grande Babilônia’” (Ap 18:2). “[Eles] ficarão longe, com medo de seu tormento, e dirão: ‘Ai! ai! tu grande cidade, tu cidade poderosa, Babilônia! Em uma hora vem o teu juízo’” (Ap 18:10). “Assim, Babilônia, a grande cidade, será derrubada com violência” (Ap 18:21).

Essas referências não podem ser à capital do império babilônico. Essa Babilônia havia sido reduzida a uma vila inexpressiva pela marcha dos anos, derrota militar e subjugação política; não era mais uma “grande cidade”. Da perspectiva do Novo Testamento, os únicos candidatos para a “grande cidade” mencionada no Apocalipse são Roma e Jerusalém.

“Mas não há nenhuma boa razão para dizer que ‘Babilônia’ significa ‘Roma’”, insiste Boettner. Mas existe, e a boa razão é a perseguição. As autoridades sabiam que Pedro era um líder da Igreja, e a Igreja, sob a lei romana, era considerada ateísmo organizado. Pedro faria a si mesmo, para não mencionar os que estavam com ele, um desserviço anunciando sua presença na capital. Por que incentivar uma caçada a si mesmo? Também sabemos que os apóstolos às vezes se referiam a cidades por meio de nomes simbólicos (veja Ap. 11:8).

Mas sejamos generosos e admitamos que é fácil para um oponente do catolicismo pensar que Pedro nunca esteve em Roma, pelo menos se ele basear sua conclusão apenas na Bíblia. Mas restringir sua investigação à

Bíblia é algo que ele não deveria fazer; evidências externas também devem ser consideradas.

O Testemunho dos primeiros cristãos

William A. Jurgens, em seus três volumes A Fé dos Pais da Igreja (The Faith of the Early Fathers), um compêndio magistral que faz longas citações de tudo, desde a Didache até João Dmasceno, inclui trinta referências a esta questão, divididas, no índice, de forma uniforme entre as declarações, que “Pedro veio a Roma e morreu lá” e que “Pedro estabeleceu sua Sé em Roma e fez do bispo de Roma seu sucessor no primado”. Alguns exemplos devem bastar, mas essas e outras referências antigas demonstram que não pode haver dúvida de que a posição universal — e muito antiga — era que Pedro certamente acabou na capital do império.

Uma referência muito precoce

Tertuliano, em sua Objeção contra os hereges (The Demurrer Against the Heretics) (200 d.C.), observou sobre Roma: “Quão feliz é aquela igreja… onde Pedro suportou uma paixão como a do Senhor, onde Paulo foi coroado em uma morte como a de João [referindo-se a João Batista, ambos tendo sido decapitados]”. Os protestantes admitem que Paulo morreu em Roma, então a implicação de Tertuliano é que Pedro também tem de ter estado lá.

No mesmo livro, Tertuliano escreveu que “é assim que as igrejas apostólicas transmitem suas listas: como a igreja dos esmirnenses, que registra que Policarpo foi colocado ali por João; como a igreja dos romanos, onde Clemente foi ordenado por Pedro”. Este Clemente, conhecido como Clemente de Roma, mais tarde seria o quarto papa. Clemente escreveu sua Carta aos Coríntios talvez antes do ano 70, apenas alguns anos após a morte de Pedro e Paulo; nele ele fez referência a Pedro terminando sua vida onde Paulo terminou a sua.

Em sua Carta aos Romanos (110 d.C.), Inácio de Antioquia observou que não podia comandar os cristãos romanos como Pedro e Paulo fizeram antes. Tal comentário só faria sentido se Pedro tivesse sido um líder, se não o líder, da igreja em Roma.

Irineu, em Contra as Heresias (190 d.C.), disse que Mateus escreveu seu Evangelho “enquanto Pedro e Paulo estavam evangelizando em Roma e lançando os fundamentos da Igreja”. Algumas linhas depois, ele observa que Lino foi nomeado sucessor de Pedro, ou seja, o segundo papa, e que os próximos na linha foram Anacleto (também conhecido como Cleto) e depois Clemente de Roma.

Clemente de Alexandria escreveu na virada do século III. Um fragmento de sua obra Esboços (Sketches) é preservado na História Eclesiástica de Eusébio de Cesaréia, a primeira história da Igreja. Clemente escreveu: “Quando Pedro pregou a palavra publicamente em Roma e declarou o evangelho pelo Espírito, muitos presentes pediram que Marcos, que há muito era seu seguidor e que se lembrava de suas palavras, escrevesse o que havia sido proclamado”.

Lactâncio, em um tratado chamado A Morte dos Perseguidores (The Death of the Persecutors), escrito por volta de 318, observou que “Quando Nero já reinava [Nero reinou de 54 a 68], Pedro veio a Roma, onde, em virtude da realização de certos milagres que ele operou pelo poder de Deus que lhe fora dado, converteu muitos à justiça e estabeleceu um templo firme e permanente para Deus”.

Essas citações podem ser multiplicadas. (Consulte os livros de Jurgens ou o tratado Residência Romana de Pedro – Peter’s Roman Residency, no site do Catholic Answers). Nenhum escritor antigo afirmou que Pedro terminou sua vida em outro lugar que não em Roma.

O que a arqueologia provou

Há muitas evidências arqueológicas de que Pedro esteve em Roma, mas Boettner, como outros apologistas fundamentalistas, deve descartá-la, alegando que “exaustivas pesquisas por arqueólogos foram feitas ao longo dos séculos para encontrar alguma inscrição nas catacumbas e outras ruínas de lugares antigos em Roma que indicasse que Pedro pelo menos visitou Roma. Mas as únicas coisas encontradas que deram alguma promessa foram alguns ossos de origem incerta” (118).

Boettner confeccionou o Catolicismo Romano por meio de prensas em 1962. Seu livro original e as revisões feitas desde então não mencionam os resultados das escavações sob o altar-mor da Basílica de São Pedro. O que Boettner descartou casualmente como “alguns ossos de origem incerta” eram o conteúdo de uma tumba na colina do Vaticano que estava coberta com inscrições antigas atestando o fato de que os restos mortais de Pedro estavam ali dentro.

Após o lançamento original do livro de Boettner, as evidências aumentaram tanto, que o Papa Paulo VI pôde anunciar oficialmente aquilo que havia sido discutido na literatura arqueológica por anos: que o túmulo real do primeiro papa tinha sido identificado de forma conclusiva. A história de como tudo isso foi determinado é discutida no livro de João Evangelista Walsh, Os ossos de São Pedro (The Bones of St. Pedro). Basta dizer aqui que a evidência histórica e científica é tal que ninguém disposto a olhar os fatos objetivamente pode duvidar de que Pedro esteve em Roma.

NIHIL OBSTAT: Concluí que os materiais apresentados neste trabalho estão livres de erros doutrinários ou morais. Bernadeane Carr, STL, Censor Librorum, 10 de agosto de 2004

IMPRIMATUR: De acordo com a CIC 827 de 1983, é concedida permissão para publicar este trabalho. +Robert H. Brom, Bispo de San Diego, 10 de agosto de 2004

Fechar Menu