(11)-94234-6789 contato@devoltaaolar.org

Papa São Clemente de Roma e Autoridade Papal

 

Esta é uma resposta a um artigo de um apologista protestante (reformado), Matt Hedges, intitulado “A Carta de Clemente de Roma aos Coríntios prova a autoridade papal?” (7-27-21). Suas palavras (cada uma delas é citada) estarão em negrito.

 

*****

 

Um dos primeiros exemplos na história da Igreja apelado pelos apologistas católicos romanos foi quando Clemente (bispo de Roma na época) escreveu uma carta aos coríntios resolvendo uma dissensão que havia ocorrido ali. Basicamente, o que aconteceu foi que a congregação estava depondo alguns de seus presbíteros. Clemente (embora seu nome não esteja na carta, virtualmente todos hoje o aceitam como seu autor) escreveu à Igreja em Corinto para resolver as controvérsias .

Os apologistas católicos romanos afirmam que esta carta tem o tom de um superior falando com um inferior, e que isso prova a ideia da autoridade papal sobre outras igrejas. [os grifos em negrito e itálico são meus]

Este aspecto não deve ser negligenciado levianamente. Por que Clemente está falando com autoridade de Roma, resolvendo as disputas de outras regiões? Por que os coríntios não resolvem sozinhos , se eles têm um bispo proclamado ou mesmo se não reivindicaram um na época? Por que eles apelam ao bispo de Roma? Essas são perguntas que acho que Matt precisa considerar seriamente e oferecer algum tipo de resposta.

São Clemente escreve (eu uso a tradução padrão de Schaff : não há “enviesamento” católico aqui!):

Vocês, portanto, que lançaram o alicerce desta sedição, submetam-se aos presbíteros e recebam a correção para se arrependerem, dobrando os joelhos do coração. Aprendam a ser sujeitos, deixando de lado a autoconfiança orgulhosa e arrogante de sua língua. Pois é melhor para vocês que ocupem um lugar humilde, mas honrado no rebanho de Cristo, do que, sendo muito exaltados, vocês sejam expulsos da esperança de Seu povo. (57)

Se, entretanto, alguém desobedecer às palavras ditas por Ele por nosso intermédio, faça-o saber que se envolverá em transgressão e grave perigo; . . . (59, meu negrito e itálico)

Alegria e júbilo vocês nos darão, se vocês se tornarem obedientes às palavras escritas por nós e, através do Espírito Santo, erradicarem a ira desordenada de seu ciúme segundo a intercessão que fizemos pela paz e unidade nesta carta. (63, meu negrito e itálico)

Clemente definitivamente afirma sua autoridade sobre a igreja de Corinto à distância. Novamente, a pergunta é: ” por quê ?” Que sentido isso faz em uma eclesiologia do tipo protestante, onde cada região é autônoma e supostamente não há autoridade hierárquica na Igreja Cristã? Por que eles devem “obedecer” ao bispo de outra região (seções 59, 63)? Clemente não apenas afirma uma autoridade forte; ele também afirma que Jesus e o Espírito Santo estão falando “por meio” dele .

Isso é extraordinário e muito semelhante ao que vemos no Concílio de Jerusalém em Atos 15:28 (“Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não colocar sobre vocês peso maior do que essas coisas necessárias”: RSV) e na própria Escritura. Não é estritamente inspiração, mas é algo semelhante à infalibilidade (proteção divina contra o erro e o papa como porta-voz único ou representante de Deus).

Além disso, Max Lackmann, um luterano, faz a observação:

Clemente, como porta-voz de todo o Povo de Deus. . . admoesta a Igreja de Corinto em tom sério, autoritário e fraterno para corrigir os abusos internos de sua comunidade eclesiástica. Ele censura, exorta, adverte, suplica. . . O uso da expressão enviar de volta na declaração: Envia de volta rapidamente nossos mensageiros (1 Clemente 65,1), não é meramente um tipo especial de frase bíblica, mas também uma forma de ordem imperial romana. O juiz romano em uma província do império enviou de volta um mensageiro ou um pacote de documentos à capital imperial ou à corte do imperador (At 25:21). Clemente de Roma, sem dúvida, também conhecia essa terminologia administrativa do governo imperial e a utilizava com eficácia. (Em Hans Asmussen, et al, The Unfinished Reformation, traduzido por Robert J. Olsen, Notre Dame, Indiana: Fides Publishers Association, 1961, 84-85)

O apologista católico Joe Heschmeyer acrescenta:

Também é importante notar que Clemente está absolutamente envolvido nessa situação. Fica claro desde o início da carta, na qual ele se desculpa por ter demorado “um pouco em voltar nossa atenção para os pontos a respeito dos quais você nos consultou”, que na verdade foram os coríntios que procuraram Clemente e a Igreja de Roma. Este não é o caso de um bispo romano intrometido, mas de uma igreja grega buscando o bispo de Roma para resolver uma disputa estritamente interna.

Considere também a recepção da carta de São Clemente. Se a Igreja primitiva fosse protestante, poderíamos esperar que prestassem pouca atenção a São Clemente, tratando-o meramente como outro clérigo ou como uma ameaça à ordem apostólica. . .

  • mero fato de haver uma pergunta sobre este ponto nos diz algo sobre como os membros da Igreja fora de Roma viam os bispos de Roma seguindo São Pedro. . . .

O que torna o envolvimento do Papa Clemente na disputa de Corinto mais chocante é que aconteceu por volta do ano 96, enquanto o apóstolo João ainda estava vivo. Em um sermão anticatólico colorido de 1914, o pastor George Rutledge proclamou para uma multidão de cerca de 1.500 pessoas que as afirmações católicas sobre o papado não podiam ser verdade porque “o apóstolo João viveu vários anos após a morte de Pedro. No entanto, Roma declara que um sujeito com o nome de Lino foi feito papa enquanto um apóstolo vivia! ”

Rutledge argumentou que, uma vez que os apóstolos são a ordem mais elevada dentro da Igreja (1 Coríntios 12:28), São João teria “uma queixa justa e poderia ter levado à falência todo o empreendimento.” No entanto, a carta de São Clemente é evidência de que os sucessores de São Pedro desempenharam um papel central no governo da Igreja primitiva, mesmo durante a vida do apóstolo João – e que João, tanto quanto está registrado, não fez objeções. ( “O Papado na Igreja Primitiva”, Catholic Answers , 10-23-19).

Houve muitas respostas de pessoas reformadas sobre este argumento no passado (especialmente durante o século 19 em torno do Vaticano I, quando você tem toneladas de livros de ambos os lados sobre os fatos históricos que cercam o papado). Um argumento popular contra Roma nesta situação é dizer que Clemente não estava escrevendo em seu nome apenas, mas em nome da igreja de Roma. 

Mesmo se assumirmos que isso seja verdade, eu proponho que as perguntas essenciais que fiz permanecem: por que Corinto tem que obedecer a Roma ? Quem determinou essa configuração? Por que lhes passa pela cabeça escrever a uma igreja local distante para resolver seus problemas, e por que Clemente presume que eles deveriam obedecê- lo, e que seria “transgressão e sério perigo” se não o fizessem ? Por que Matt ignora essas questões cruciais, que clamam por uma resposta? 

Embora esse argumento possa ser verdadeiro, eu adoto uma abordagem um pouco diferente para responder ao argumento católico romano.

Bem, vamos dar-lhe uma chance! Francamente, o argumento de Matt até agora é claramente inexpressivo. Ele levantou mais perguntas sem resposta do que deu respostas plausíveis. Agradeço, entretanto, a oportunidade de fortalecer este argumento específico (a autoridade de Clemente ) mais do que jamais fiz em 30 anos de apologética católica. Eu sempre aprendo coisas novas na defesa da Santa Madre Igreja e da Sagrada Escritura, e isso é uma grande bênção.

Observe a seguinte linguagem de Clemente: “Mas não para nos determos em exemplos antigos, vamos aos heróis espirituais mais recentes. Tomemos os exemplos nobres fornecidos em nossa própria geração. Por causa da inveja e do ciúme, os maiores e mais justos pilares [da Igreja] foram perseguidos e mortos. Coloquemos diante de nossos olhos os ilustres apóstolos. Pedro , por inveja injusta, suportou não um ou dois, mas numerosos trabalhos e quando ele finalmente sofreu o martírio, partiu para o lugar de glória que lhe era devido. Por inveja, Paul também obteve a recompensa de resistência paciente, depois de ser sete vezes lançado em cativeiro, obrigado a fugir e apedrejado. Depois de pregar tanto no leste como no oeste, ele ganhou reputação ilustre devido à sua fé, tendo ensinado a justiça para o mundo inteiro, e chegou ao limite extremo do oeste, e sofreu o martírio sob os oficiais. Assim ele foi removido do mundo e foi para o lugar santo, tendo provado ser um notável exemplo de paciência. ” (Capítulo 5 da Epístola aos Coríntios )

Clemente fala de Pedro e Paulo aqui no mesmo nível, linguagem que parece ser inconsistente com a visão RC da autoridade e posição de Pedro. Esta parte da carta parece ser um lugar apropriado para Clemente dizer pelo menos algo sobre a autoridade de Pedro como bispo de Roma. Mas ele não sabe, pela simples razão de que ele não sabia de tal coisa.

A última seção é um argumento do silêncio, o que equivale a nenhum argumento. Quanto ao resto, tenho pelo menos sete respostas separadas:

  • Filipenses 4: 2-3 (RSV) Rogo a Evódia e rogo a Síntique que concordem no Senhor. [3] E eu peço a você também, verdadeiro companheiro de jugo, ajude essas mulheres, pois elas trabalharam lado a lado comigo no evangelho junto com Clemente e o resto de meus companheiros de trabalho.

Observe que Paulo ordenou que Evódia e Síntique “concordassem no Senhor”. Portanto, ele tinha mais autoridade do que eles. Mesmo assim, ele os chama (junto com Clemente) de “companheiros de trabalho”. Isso “prova” então, que Evódia, Síntique, São Paulo e São Clemente estão todos “no mesmo nível” : porque eles são “companheiros de trabalho”? Não, claro que não.

2) 1 Pedro 5: 1 Exorto, pois, os mais velhos entre vós, como co-anciãos. . .

Isso também ilustra a perspectiva bíblica e católica de “ambos / e” (que é crucial entender ao longo de toda esta discussão). Pedro humildemente chama a si mesmo de “co-ancião”. Mas isso não quer dizer que ele não tenha mais autoridade do que os outros bispos. Na verdade, ele assume autoridade em toda a sua epístola: “cingi as vossas mentes” (1:13); “Sede santos em toda a vossa conduta” (1:15); “Amai-vos sinceramente de coração” (1:22); “Ponha de lado toda a malícia e toda a astúcia e insinceridade e inveja e toda calúnia” (2: 1); “Ansiar pelo leite espiritual puro” (2: 2); “Abstenha-se das paixões da carne” (2:11); “Manter a boa conduta entre os gentios” (2:12); “Sujeitai-vos por amor do Senhor a todas as instituições humanas” (2:13); “Honre todos os homens. Ame a irmandade. Temor a Deus. Honre o imperador.” (2:17); “Esposas, sejam submissas aos seus maridos” (3: 1); “Da mesma forma, vocês, maridos, vivam com consideração com suas esposas, honrando a mulher” (3:7); “Tenham unidade de espírito, simpatia, amor pelos irmãos, um coração terno e uma mente humilde”. (3: 8); “Não retribua mal com mal, nem injúria com injúria” (3:9);“Em vossos corações reverenciem a Cristo como Senhor. Esteja sempre preparado para defender”(3:15: apologética!); “Mantenha a sua consciência limpa” (3:16); “Mantenha-se são e sóbrio em suas orações” (4: 7); “Conservai infalivelmente o vosso amor uns pelos outros” (4: 8); “Pratiquem a hospitalidade sem rancor uns com os outros” (4: 9); “Como cada um recebeu um presente, empreguem-no uns aos outros” (4:10); “Cuide do rebanho de Deus que está sob sua responsabilidade” (5: 2: dirigido especificamente a outros bispos); “Vocês, que são mais jovens, estejam sujeitos aos mais velhos” (5: 5); “Humilhai-vos, pois, sob a poderosa mão de Deus” (5: 6); “Sê sóbrio, vigia” (5: 8); e “resiste-lhe, firme na tua fé” (5: 9).“

Todos esses são simplesmente pseudo-comandos opcionais? É autoridade!

  • São Paulo e São Pedro no Concílio de Jerusalém . Paulo não é de forma alguma igual a Pedro, muito menos superior, como prova a evidência do conselho, em minha opinião. Eu escrevi em outro lugar :

Em Atos 15, aprendemos que “depois de muito debate, Pedro se levantou” para falar à assembleia (15: 7). A Bíblia registra seu discurso, que se estende por cinco versículos. Em seguida, relata que “toda a assembleia guardou silêncio” (15:12). Paulo e Barnabé falam a seguir, não fazendo pronunciamentos oficiais, mas confirmando a exposição de Pedro, falando sobre “sinais e maravilhas que Deus fez por eles entre os gentios” (15:12). Então, quando Tiago fala, ele se refere de volta ao que “Simeão [Pedro] relatou” (15:14). Para mim, isso sugere que a palestra de Peter foi central e definitiva. Tiago falando por último pode ser facilmente explicado pelo fato de que ele era o bispo de Jerusalém e, portanto, o “anfitrião”.

 

De fato, São Pedro já havia recebido uma revelação relevante, relacionada ao concílio. Deus deu a ele uma visão da pureza de todos os alimentos (contrário à Lei Judaica: veja Atos 10: 9-16). São Pedro já está aprendendo sobre o relaxamento das leis dietéticas judaicas, e está comendo com homens incircuncisos, e está pronto para proclamar o evangelho amplamente aos gentios (Atos 10 e 11).

Esta foi a decisão secundária do Concílio de Jerusalém, e Pedro se referiu às suas experiências com os gentios no concílio (Atos 15: 7-11). O concílio decidiu então – no que diz respeito à comida – proibir apenas o que “foi sacrificado aos ídolos e do sangue e do que é estrangulado” (15,29).

  • A repreensão de Paulo a Pedro . Isso foi por hipocrisia e não implica uma negação da autoridade de Pedro. Da mesma forma, na história católica, os papas foram repreendidos por santos e leigos: Santa Catarina de Sena, São Domingos e São Francisco de Assis, para citar três. Veja meus artigos:

 

São Paulo é superior a São Pedro? (Diálogo) [1998; expandido 5-13-02]

Paulo repreendeu Pedro: Rejeição do papado?  [2007] 

Colocando Paulo contra Pedro (Pedantismo patético e lamentável): Resposta às tentativas fracassadas de protestantes anticatólicos de derrubar São Pedro e sua autoridade papal  [8-10-12] 

São Paulo buscou a aprovação de São Pedro para seu ministério? (+ A ordem das palavras em Gálatas 2: 9 sugere uma redução da primazia de Pedro? [4-27-17 e 9-4-17] 

A repreensão de Paulo a Pedro refuta a infalibilidade papal?  [ National Catholic Register , 3-31-18] 

  • Paulo se referiu a si mesmo como um “diácono” . 

Escrevi em meu livro A Biblical Defense of Catholicism  (Uma defesa bíblia do Catolicismo):

Também é incorreto considerar São Paulo como uma espécie de “cavaleiro solitário” espiritual, sozinho, sem nenhuma lealdade eclesiástica particular, visto que foi comissionado pelo próprio Jesus como apóstolo. Em sua própria experiência de conversão, Jesus informou a Paulo que lhe seria dito o que fazer (Atos 9: 6; cf. 9:17). Ele foi ver São Pedro em Jerusalém por quinze dias a fim de ser confirmado em seu chamado (Gálatas 1:18), e quatorze anos depois foi comissionado por Pedro, Tiago e João (Gálatas 2: 1-2,9) . Ele também foi enviado pela Igreja de Antioquia (Atos 13: 1-4), que estava em contato com a Igreja de Jerusalém (Atos 11: 19-27). Mais tarde, Paulo relatou a Antioquia (Atos 14: 26-28).

 

O Novo Testamento se refere basicamente a três tipos de ofícios permanentes na Igreja (apóstolos e profetas deveriam cessar): bispos ( episkopos ), presbíteros ( presbyteros, dos quais derivam presbiterianos e padres ) e diáconos ( diakonos ). Os bispos são mencionados em Atos 1:20, 20:28, Filipenses 1: 1, 1 Timóteo 3: 1-2, Tito 1: 7 e 1 Pedro 2:25. Presbíteros (geralmente ancião ) aparece em passagens como Atos 15: 2-6, 21:18, Hebreus 11: 2, 1 Pedro 5: 1 e 1 Timóteo 5:17. Os protestantes veem esses líderes como análogos aos pastores atuais, enquanto os católicos os consideram como padres. Diáconos (frequentemente, ministros em traduções para o inglês) são mencionados da mesma forma que os anciãos cristãos com frequência semelhante (por exemplo, 1 Coríntios 3: 5, Filipenses 1: 1, 1 Tessalonicenses 3: 2, 1 Timóteo 3: 8-13) .

Como é frequentemente o caso na teologia e prática entre os primeiros cristãos, há alguma fluidez e sobreposição dessas três vocações (por exemplo, compare Atos 20:17 com 20:28; 1 Timóteo 3: 1-7 com Tito 1: 5 -9). Mas isso não prova que três ofícios de ministério não existiram. Por exemplo, São Paulo frequentemente se refere a si mesmo como um diácono ou ministro (1 Coríntios 3: 5, 4: 1, 2 Coríntios 3: 6, 6: 4, 11:23, Efésios 3: 7, Colossenses 1: 23-25 ), mas ninguém afirmaria que ele era apenas um diácono e nada mais.

Da mesma forma, São Pedro se autodenomina um co-ancião (1 Pedro 5: 1), ao passo que Jesus o chama de a rocha sobre a qual Ele construiria Sua Igreja, e deu somente a ele as chaves do reino dos céus (Mateus 16: 18-19). Esses exemplos geralmente são indicativos de uma humildade saudável, de acordo com as injunções de servidão de Cristo (Mateus 23: 11-12, Marcos 10: 43-44).

Após uma observação mais atenta, aparecem distinções claras de ofício, e a natureza hierárquica do governo da Igreja no Novo Testamento emerge. Os bispos são sempre mencionados no singular, enquanto os anciãos geralmente são mencionados no plural. (pp. 251-252)

Elaborei o tema “Paulo como um diácono” em outro artigo: 

São Paulo se autodenomina um “diácono” (isto é, diakonos grego ) em muitos lugares, como observei no livro (RSV):

1 Coríntios 3: 5: Quem então é Apolo? Quem é Paulo? Servos por meio dos quais vocês creram, conforme o Senhor designou a cada um.

2 Coríntios 3: 5-6: Não que sejamos competentes por nós mesmos para reivindicar algo como vindo de nós; nossa competência vem de Deus, que nos tornou competentes para ser ministros de uma nova aliança, não em uma Lei  escrita, mas no Espírito; pois a Lei escrita mata, mas o Espírito vivifica.

2 Coríntios 6: 3-4: Não colocamos nenhum obstáculo no caminho de ninguém, para que nenhuma falha seja encontrada em nosso ministério [diakonia], mas como servos de Deus nos recomendamos em tudo: na grande perseverança, nas aflições, dificuldades, calamidades,

2 Coríntios 11: 22-23: Eles são hebreus? Eu também. Eles são israelitas? Eu também sou. Eles são descendentes de Abraão? Eu também sou. Eles são servos de Cristo? Eu sou melhor . .

Efésios 3: 7: Deste evangelho fui feito ministro segundo o dom da graça de Deus que me foi dado pela operação do seu poder.

Colossenses 1: 23,25:. . . a esperança do evangelho que ouvistes, que foi pregado a todas as criaturas debaixo do céu e do qual eu, Paulo, me tornei ministro. . . . do qual me tornei ministro de acordo com o ofício divino que me foi dado por vocês, para tornar a palavra de Deus plenamente conhecida,. . .

Compare o uso semelhante da palavra diakonia por Paulo como uma descrição do que ele faz:

Atos 20:24: Mas eu não considero minha vida como tendo qualquer valor nem como preciosa para mim mesmo, contando que eu possa cumprir minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para testemunhar o evangelho da graça de Deus.

Romanos 11:13: Visto que sou um apóstolo dos gentios, magnifico meu ministério

Romanos 15:31:. . . que meu serviço para Jerusalém seja aceitável para os santos,

2 Coríntios 4: 1: Portanto, tendo este ministério pela misericórdia de Deus, não desanimamos.

1 Timóteo 1:12: Agradeço àquele que me fortaleceu para isso, Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel ao me designar para o seu serviço,

E também a palavra diakoneo:

2 Coríntios 8: 19-20: e não só isso, mas ele foi designado pelas igrejas para viajar conosco nesta graciosa obra que estamos realizando, para a glória do Senhor e para mostrar a nossa boa vontade. Pretendemos que ninguém nos culpe por este dom liberal que estamos administrando,

Portanto, é pelo menos quinze vezes (posso ter esquecido algumas) que o apóstolo Paulo usa o termo diácono ou termo relacionado para si mesmo (diakonos: 7; diakonia: 6; diakoneo: 2). 

  • A Bíblia estabelece firmemente a primazia petrina e o papado .

 

Eu demonstrei isso em meu artigo, 50 Provas do Novo Testamento para a Primazia Petrina e o papado [1994]. Em muitos lugares, coletei comentários protestantes sobre a questão da autoridade de Pedro. Dois dos meus favoritos vêm do grande estudioso da Bíblia F. F. Bruce:

As chaves de um estabelecimento real ou nobre foram confiadas ao mordomo-chefe ou mordomo; . . . Cerca de 700 a.C. um oráculo de Deus anunciou que essa autoridade no palácio real em Jerusalém seria conferida a um homem chamado Eliaquim. . . (Isa. 22:22). Portanto, na nova comunidade que Jesus estava prestes a construir, Pedro seria, por assim dizer, o mordomo-chefe. (The Hard Sayings of Jesus, Downers Grove, Illinois: InterVarsity Press, 1983, 143-144)

Um paulinista (e eu mesmo devo ser classificado como um) está sob constante tentação de subestimar Pedro. . . Um tributo impressionante é prestado a Pedro pelo Dr. J.D.G. Dunn no final de sua Unidade e Diversidade no Novo Testamento [Londres: SCM Press, 1977, 385; ênfase no original]. Contemplando a diversidade dentro do cânon do Novo Testamento, ele pensa na compilação do cânon como um exercício de construção de pontes, e sugere que foi Pedro quem se tornou o ponto focal da unidade na grande Igreja, uma vez que Pedro foi provavelmente de fato e efeito o homem-ponte que fez mais do que qualquer outro para manter unida a diversidade do Cristianismo do primeiro século.

Paulo e Tiago, ele pensa, estavam demasiadamente identificados aos olhos de muitos cristãos com este e aquele extremo do espectro para preencher o papel que Pedro desempenhou. A consideração das palavras atenciosas do Dr. Dunn me levou a estimar mais a contribuição de Pedro para a igreja primitiva, sem diminuir minha consideração à contribuição de Paulo. (Peter, Stephen, James e John, Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 1979, 42-43).

Aqui estão mais duas grandes observações protestantes sobre Pedro:

No . . . exercício do poder das chaves, na disciplina eclesiástica, o pensamento é de autoridade administrativa (Is 22:22) no que diz respeito aos requisitos da família da fé. O uso de censuras, excomunhão e absolvição é confiado à Igreja em todas as épocas, para ser usado sob a orientação do Espírito. . .

Então, Pedro, nas palavras de T. W. Manson, deve ser “o vice-gerente de Deus. . . A autoridade de Pedro é uma autoridade para declarar o que é certo e errado para a comunidade cristã. Suas decisões serão confirmadas por Deus ‘(The Sayings of Jesus, 1954, p. 205). (New Bible Dictionary, editado por J. D. Douglas, Grand Rapids, Michigan: Eerdmans Pub. Co., 1962, 1018)

Assim como em Isaías 22:22, o Senhor coloca as chaves da casa de Davi sobre os ombros de seu servo Eliaquim, assim Jesus entrega a Pedro as chaves da casa do reino dos céus e pelo mesmo golpe o estabelece como seu superintendente. Há uma conexão entre a casa da Igreja, cuja construção acabamos de mencionar e da qual Pedro é o alicerce, e a casa celestial da qual ele recebe as chaves. A conexão entre essas duas imagens é a noção do povo de Deus. (Oscar Cullmann, São Pedro: discípulo, apóstolo, mártir, Neuchatel: Delachaux & Niestle, 1952 [edição francesa], 183-184)

 

  • Jason Engwer e o contra-argumento meio sério do “papado paulino”

   

O apologista protestante Engwer, reagindo à minha lista acima, tentou criar uma ironia retórica / satírica para Paulo ser mais provável de ser um papa: se houvesse um (o que ele, é claro, nega). Ver:

 

“Resposta à crítica das “50 provas do NT para o papado”, (vs. Jason Engwer) [3-14-02]

*

“Refutação de um argumento satírico do “papado paulino” (vs. Jason Engwer) [9-30-03]

*

Pedro e Paulo são referidos como “heróis espirituais”, “os bons apóstolos”, “os maiores e mais justos pilares da Igreja” e “nobres exemplos”.

*

E daí? Eu não vejo que isso prova nada; especialmente não à luz de todos os dados acima que eu trouxe para a mesa (a maioria deles da Sagrada Escritura). As passagens dos “heróis da fé” em Hebreus 11 fazem de maneira semelhante, mas não precisamos considerar todos esses heróis como iguais em estatura (Raabe com Moisés e Abraão, etc.).

*

Clemente não parece ver Pedro como estando “acima” de Paulo no sentido em que o Catolicismo Romano veria (ou seja, como o Vigário de Cristo na terra que possui jurisdição sobre toda a igreja).

*

Este é em grande parte um argumento do silêncio novamente. Mas Clemente, na verdade, assume que Pedro tinha essa autoridade, na forma como ele exercia sua própria autoridade, recebida por meio da sucessão apostólica e da sucessão papal. Resta à Matt explicar por que os coríntios tratam Clemente da maneira que o tratam (como uma autoridade que pode resolver seus problemas), e por que São Clemente afirma falar como o porta-voz de Jesus e do Espírito Santo.

*

São Paulo também se referiu a “Tiago, Cefas e João, que eram considerados pilares” (Gl 2, 9). Segue-se que eles estavam “no mesmo nível”. Duvido que mesmo muitos protestantes afirmem que Tiago e João estavam no mesmo nível de autoridade que Pedro.

*

Mais do que isso, a ideia de um episcopado monárquico não parece se apresentar na Carta de Clemente. Observe esta parte do capítulo 44: 

“Nossos apóstolos também sabiam, por nosso Senhor Jesus Cristo, e haveria contenda por causa do ofício do episcopado. Por esta razão, portanto, visto que haviam obtido um perfeito conhecimento prévio disso, designaram os [ministros] já mencionados, e depois deram instruções para que, quando eles adormecessem, outros homens aprovados os sucedessem em seu ministério. Somos da opinião, portanto, que aqueles nomeados por eles, ou posteriormente por outros homens eminentes, com o consentimento de toda a Igreja, e que serviram irrepreensivelmente ao rebanho de Cristo com espírito humilde, pacífico e desinteressado, e têm por há muito tempo possuía a boa opinião de todos, não pode ser justamente demitido do ministério. Pois o nosso pecado não será pequeno, se expulsarmos do episcopado aqueles que honradamente e santamente cumpriram seus deveres. Bem-aventurados os presbíteros que, tendo terminado sua carreira antes, obtiveram uma partida fecunda e perfeita [deste mundo]; pois não temem que alguém os prive do lugar agora designado para eles. Mas vemos que removestes alguns homens de excelente comportamento do ministério, que eles cumpriram de maneira irrepreensível e com honra. ” (Capítulo 44) 

Isso parece colocar presbíteros e bispos no mesmo nível.

A palavra é monárquica, aliás com um “-quica” no final. Isso já foi tratado em meus dados sobre Paulo chamando a si mesmo de diácono, e a semifluidez dos ofícios conforme apresentados no Novo Testamento. O “Episcopado” ainda se refere diretamente aos bispos, já que o grego episkopos = bispo.

*

São Clemente distingue três vezes entre diáconos e bispos na seção 42. Isso não implica (nem lógica nem eclesiologicamente) um “mesmo nível” mais do que uma linguagem bíblica semelhante implica um “mesmo nível” que nenhum cristão afirmaria (todos fazendo diferença entre bispo e diácono). Paulo se refere a “bispos e diáconos” em Filipenses 1: 1. Mas as Escrituras diferenciam claramente seus papéis: bispos em 1 Timóteo 3: 1-2; Tito 1: 7 e diáconos em 1 Timóteo 3: 8, 10, 12-13; Romanos 16: 1.

*

“Embora a posição de Clemente como um dos principais presbíteros e porta-voz da comunidade cristã em Roma esteja assegurada, sua carta sugere que o episcopado monárquico ainda não havia surgido lá e, portanto, é impossível formar qualquer concepção precisa de seu papel constitucional. ” (J.N.D. Kelly, Dicionário Oxford dePapas [Oxford University Press 2005], pág. 8)

*

Esta resposta também descarta essa afirmação, em minha opinião. Santo Inácio de Antioquia também tem uma visão muito forte dos bispos e da autoridade hierárquica logo após a época de Clemente.

*

“A unidade de estilo sugere que a carta é obra de um único autor. Enquanto o carta, que foi enviada em nome de toda a igreja (veja a assinatura), não nomeia seu escritor, tradição antiga bem atestada e a maioria dos manuscritos o identifica como o obra de Clemente, cuja identidade precisa, no entanto, não é clara. A tradição o identifica como o terceiro bispo de Roma depois de Pedro, mas isso é improvável porque o ofício de bispo monárquico, no sentido pretendido por esta tradição posterior, não parece ter existido em Roma nesta época. A liderança parece ter sido confiada a um grupo de presbíteros ou bispos (os dois parecem ser sinônimos em 1 Clemente; ver 44.1-6), entre os quais Clemente quase certamente era uma (se não a) figura principal. ” (Michael Holmes, The Apostolic Fathers, pg. 35)

*

Eu tenho esse livro na minha biblioteca. Novamente, acho que aqueles que assumem essa posição precisam lidar com os tipos de argumentos que apresentei. Mas geralmente, em minha experiência, os protestantes somem assim que a discussão fica interessante, e nós apresentamos nossos contra-argumentos. Se uma visão não pode ser defendida contra críticas agressivas e substantivas, ela não vale muito.

***

Tradução: Mετhodюs

Fechar Menu