(11)-94234-6789 contato@devoltaaolar.org

Casey Chalk | Tradução: Pablo Monteiro

Ao longo dos últimos anos vimos muitos católicos, incluindo alguns proeminentes, indo embora por causa de escândalos sexuais envolvendo católicos. Sem dúvida, veremos mais disso nos próximos anos, especialmente se continuarmos acreditando no New York Times e no The Washington Post. Alguns proeminentes eruditos protestantes, sentindo o cheiro de sangue na água, sugeriram aos católicos que considerem a possibilidade de nadar no outro lado do Tibre, marchar pela península italiana e cruzar os Alpes para Genebra ou Wittenberg. Existem muitos bons motivos pelos quais os católicos não devem dar ouvidos ao canto da sereia. O bem-aventurado John Henry Newman em seu Ensaio sobre o desenvolvimento da Doutrina Cristã, publicado em 1845, oferece pelo menos dois: (1) O protestantismo é uma religião anti-histórica; e (2) o protestantismo tem como premissa fundamental um paradigma problemático de julgamento privado.

Aqueles familiarizados com o texto de Newman sobre o desenvolvimento da doutrina podem achar estranho sugerir que este livro seja uma cartilha de críticas ao protestantismo – o livro é muito mais famoso (e fundamental) como a discussão mais extensa e sofisticada do desenvolvimento doutrinário católico jamais escrita. Na verdade, seus sete testes para avaliar o verdadeiro desenvolvimento – em oposição à sua antítese, a corrupção doutrinária – podem ser uma das contribuições mais valiosas que o cardeal inglês fez à sua Igreja adotiva. No entanto, os principais interlocutores de Newman em seu “ensaio” (minha cópia tem 300 páginas!) São protestantes, e muito do contexto por trás de seu trabalho é o desejo de defender as doutrinas da Igreja contra aqueles que, como seus ancestrais teológicos da era da Reforma, afirmaram que Roma se afastou da fé da Bíblia e da Igreja Primitiva. Além disso, dadas as agudas habilidades teológicas de Newman, não devemos nos surpreender que sua escrita possua camadas de valor – por exemplo, eu argumentei que sua Apologia Pro Vita Sua é um livro didático sobre como debater caridosamente seus detratores. Vamos considerar os pontos salientes de Newman sobre o protestantismo

O PROTESTANTISMO É ANTI-HISTÓRICO

“Mergulhar na história é deixar de ser protestante”, diz Newman na introdução de seu ensaio. Isso geralmente é interpretado pelos apologistas católicos como significando que quanto mais se estuda a história, menos o protestantismo faz sentido dentro do arco mais amplo de dois mil anos de cristianismo. Newman, no entanto, significava algo um pouco mais do que isso. Em outro lugar, ele escreve: “Seja o que for o cristianismo histórico, não é protestantismo. Se alguma vez existiu uma verdade segura, é esta.” O que Newman quer dizer aqui – com base em sua concepção de desenvolvimento doutrinário – é que o protestantismo representa uma ruptura fundamental na história cristã. A Igreja e a doutrina católica vinham se desenvolvendo de muitas maneiras ao longo de um milênio e meio quando Lutero começou seu protesto contra Roma. Desenvolveu uma liturgia; um sistema conciliar para a Igreja universal determinar a doutrina; uma compreensão robusta da autoridade eclesial; e uma série de doutrinas, incluindo sobre a natureza e a pessoa de Deus, soteriologia, eclesiologia e sacramentologia, entre muitas outras coisas. Lutero, Calvino e os outros reformadores rejeitaram esse processo.

O que daria aos reformadores tanta ousadia? A crença de que a Escritura, e somente a Escritura (sola scriptura) é a regra de fé. Newman explica: “Isso é mostrado na determinação já mencionada de dispensar totalmente o Cristianismo histórico e de formar um Cristianismo apenas a partir da Bíblia: os homens nunca o teriam posto de lado, a menos que tivessem desesperado disso.” Os protestantes se desesperam com a história cristã no sentido de que não aceitam seu desenvolvimento histórico orgânico até a era da Reforma como legítimo. Alguns estudiosos protestantes pensam que a Igreja saiu dos trilhos no século VIII, outros no século XII e outros no século XV. Qualquer que seja o século, o paradigma subjacente é aquele em que não se pode confiar na Sagrada Tradição e nos movimentos históricos do Magistério, mesmo que tenha sido precisamente essa tradição e magistério que determinou o conteúdo do cânon ou formulou a doutrina da Trindade!

Claro, os protestantes não apreciam a crítica de Newman no que se refere à história. Eles argumentam que a Igreja do final da Idade Média e do início do período da Renascença havia perdido o direito de ser a herdeira dos Apóstolos. Curiosamente, os Reformadores afirmavam ser os descendentes teológicos dos Apóstolos e dos Pais da Igreja. Calvino em suas Institutas cita São João Crisóstomo e Santo Agostinho, entre outros, como autoridades que validam suas interpretações escriturísticas. No entanto, como Newman observa sabiamente, os Reformadores escolhem entre a Tradição e os Pais da Igreja. Ele argumenta que o protestantismo “não pode condenar ao mesmo tempo São Tomás e São Bernardo e defender Santo Atanásio e São Gregório Nazianzeno.” Eu daria um passo adiante: os protestantes não podem defender as partes de Santo Agostinho de que gostam (por exemplo, sua doutrina da graça) e condenar o que não gostam (por exemplo, sua defesa do primado romano). Um cristão pode muito bem defender as partes das Escrituras de que gosta e condenar aquelas de que não gosta – o que, pensando bem, é exatamente o que muitos protestantes fazem!

O PROTESTANTISMO É UM PARADIGMA DE JULGAMENTO PRIVADO

A natureza ad hoc das perspectivas protestantes sobre a história cristã se conecta bem à segunda crítica importante de Newman de que os descendentes da Reforma promovem um paradigma cuja essência é o julgamento privado. Ele escreve: “As várias seitas do Protestantismo, desconexas como estão umas das outras, são chamadas de desenvolvimentos do princípio do Julgamento Privado, do qual realmente são apenas aplicações e resultados”. Com tal paradigma, os protestantes têm poucos meios de condenar movimentos dentro de suas fileiras que eles interpretam como antibíblicos ou não-cristãos. Lutero e Calvino, por exemplo, basearam sua rebelião contra a Igreja Católica em suas interpretações pessoais das Sagradas Escrituras. No entanto, quando alguém confia apenas na opinião subjetiva, qual é a base para sua interpretação sobrepujar outra? Na verdade, formas variantes e contraditórias de protestantismo proliferaram nas gerações após os primeiros reformadores, algo que São Francisco de Sales criticou em suas Controvérsias Católicas. Só com a Bíblia, não se pode recorrer a nenhuma outra autoridade objetiva para resolver disputas interpretativas. “Assim”, observa Newman, “tanto o Calvinismo quanto o Unitarismo podem ser chamados de desenvolvimentos, isto é, exibições, do princípio do Julgamento Privado, embora não tenham nada em comum, vistos como doutrinas”.

Esta é uma suprema ironia – embora os protestantes tenham evitado a autoridade papal, eles agora existem em um paradigma onde cada um deles é forçado a se tornar seu próprio papa na interpretação das Escrituras. Newman explica: “Todas as partes apelam para a Escritura, isto é, argumentam com base nas Escrituras; mas o argumento implica dedução, isto é, desenvolvimento. Aqui não há diferença entre tempos antigos e tardios, entre um Papa ex cathedra e um protestante individual, exceto que sua autoridade não é igual. De ambos os lados, a reivindicação de autoridade é a mesma.” No entanto, esses pseudo-papas protestantes não têm meios pelos quais interpretar a Bíblia com autoridade, nem qualquer tradição infalível na qual basear suas interpretações.

Termos teológicos e ideias que espelham de perto o ensino católico existem no paradigma protestante, mas eles flutuam sem amarras a qualquer autoridade magisterial para dar-lhes significado ou unidade. Diz Newman: “Muitos de seus oradores, por exemplo, usam uma linguagem eloquente e brilhante sobre a Igreja e suas características: alguns deles não percebem o que dizem, mas usam palavras elevadas e declarações gerais sobre “a fé” e “verdade primitiva”, “cisma” e “heresia”, aos quais eles não atribuem nenhum significado definido; enquanto outros falam de “unidade”, “universalidade” e “catolicidade”, e usam as palavras em seu próprio sentido e para suas próprias ideias.” Em última análise, isso reduz os protestantes a efetivamente “brincadeira” de igreja e teologia, uma vez que carecem da autoridade ou ferramentas adequadas. No processo, sua abordagem paradigmática resulta apenas em confusão, caos e abismos eclesiais. “Nada pode ser mais fácil e nada mais insignificante do que determinações privadas sobre o essencial, as doutrinas peculiares, as doutrinas vitais, as grandes verdades, pontos de vista simples ou a ideia principal do Evangelho”, declara Newman.

COMO O CATOLICISMO É DIFERENTE

Em contraste, o catolicismo é um paradigma teológico que é totalmente histórico e totalmente universal e objetivo. É histórico, pois tanto a prática quanto os ensinamentos de nossa Igreja Católica contemporânea encontram suas origens na práxis e na doutrina da Igreja Primitiva. Pode-se ler os muitos capítulos da aplicação de Newman de seus sete princípios de desenvolvimento para ver quanta unidade existe entre o cristianismo contemporâneo e histórico em qualquer número de assuntos – eclesiologia, sacramentologia, cristologia, mariologia, para citar apenas alguns. Para os menos inclinados academicamente, o prático The Fathers Know Best de Jimmy Akin destila os Pais da Igreja em categorias muito acessíveis. Além disso, a Igreja é universal e objetiva no sentido de que possui não apenas autoridade apostólica em seus ofícios eclesiais, mas um princípio de unidade no Santo Padre, o Papa. Seus conselhos, que começaram nas próprias páginas do Novo Testamento (Atos 15), servem como um “baluarte da verdade” (1 Timóteo 3:15) que permite à Igreja universal fazer julgamentos com autoridade que guiam os fiéis e os protegem do erro. Ambos servem, por assim dizer, como árbitros teológicos, capazes de governar quando certas crenças ou práticas se transformam em heresia, e treinadores teológicos, conduzindo a Igreja universal em sua busca pela verdade e beleza.

O paradigma protestante não pode oferecer essas funções – sua própria identidade como protesto inibe isso. Ao livrar-se das algemas do primado romano do século dezesseis, afastou a história cristã e também a autoridade objetiva, sem nenhuma maneira de recuperá-las, exceto retornando à Igreja que rejeitava. Como São Vicente de Lerins, outra grande autoridade em desenvolvimento doutrinário, uma vez declarou, profectus fidei non permutatio – o sucesso da fé não muda, porque Cristo a protegerá. Aqueles que pensam em deixar o catolicismo devem se lembrar disso.


Casey Chalk. Newman’s Message for Those Leaving the Church.

Fechar Menu