(11)-94234-6789 contato@devoltaaolar.org

Michael Barber

A extensa monografia de Alister McGrath sobre a justificação tem sido vista como uma das obras magistrais sobre o assunto. Fiquei, portanto, bastante animado ao ver que a Cambridge University Press estava publicando uma nova versão revisada este ano: Iustitia Dei: Uma História da Doutrina Cristã da Justificação, 4ª ed. (Oxford: Cambridge University Press, 2020).

Você não precisa ler muito o livro antes de começar a ver algumas mudanças significativas. Na verdade, no Prefácio, McGrath revela que ele reescreveu substancialmente o livro:

Esta quarta edição, portanto, representa uma reavaliação completa de todos os aspectos das edições anteriores, incluindo sua estrutura e formato. Aqueles que usam este trabalho para fins de ensino devem, portanto, certificar-se de que estão familiarizados com essas mudanças estruturais e acadêmicas. Meu envolvimento contínuo com fontes primárias e secundárias neste campo me convenceu da necessidade de reescrever o livro, mantendo o que era claramente sólido, confiável e útil para seus leitores, enquanto corrigia ou modificava tudo o que estava aberto a críticas justificadas. 

McGrath, Iustitia Dei, x.

Um dos aspectos mais significativos dessa nova versão revisada é o tratamento da justificação nos pais gregos. Anteriormente, McGrath sugeriu que uma leitura regenerativa da justificação era o resultado do surgimento do latim no cristianismo ocidental. A narrativa afirmava que, quando o termo grego para “justificar” (= dikaioō) foi traduzido para o latim (= iustificare), os intérpretes cristãos interpretaram mal o ensino de Paulo. Isso porque o latim sugeria que a justificação envolvia “tornar” o crente justo. A noção de que “justificação” envolve um elemento transformador foi vista como contradita pelos gregos.

Para alguns, isso foi a chave para desbloquear os debates da Reforma. RC Sproul costumava apontar esse ponto. (Vá para 1:29 no vídeo a seguir):

Resumindo, ao falar sobre esse “truque linguístico”, Sproul se baseia no trabalho mais antigo de McGrath. A razão pela qual se pensava que a “justificação” envolvia o crente realmente se tornando justo foi em parte devido à má interpretação de Paulo em latim. A tradição reformada eventualmente recuperou o significado original de Paulo voltando ao grego, o que mostra que a justificação não é apenas meramente jurídica, mas contrafactual – o crente é declarado justo, mas permanece injusto; a justiça de Deus é “estranha” para aquele que é justificado.

O novo volume de McGrath mostra que essa versão da história é falha. Aqui está o problema: McGrath descobriu que os pais gregos interpretam a justificação como algo que envolve transformação.

Por exemplo, escrevendo sobre Crisóstomo, afirma McGrath,

O relato de Crisóstomo afirma a declaração ou manifestação (endeixeis) da própria justiça de Deus com sua atualização na transformação da natureza da humanidade.

McGrath, Iustitia Dei, 37.

Ele então cita diretamente Crisóstomo:

É como a declaração das riquezas de Deus, não apenas porque Deus é rico, mas também porque Deus torna os outros ricos; ou da mesma forma sobre a vida [de Deus], ​​não só porque Deus vive, mas também porque Deus faz os mortos viverem; e do poder [da declaração de Deus], ​​não apenas porque Deus é poderoso, mas também porque Deus torna os fracos poderosos. Portanto, a declaração da justiça de Deus não é apenas que Deus é justo, mas também que Deus torna imediatamente justos aqueles que são corrompidos pelo pecado.

Crisóstomo, Homilia ad Romanos, VII.iii.26; MPG 60.444; McGrath, Iustitia Dei, 37. 

McGrath escreve:

Tornou-se um lugar comum em alguns setores sugerir que o grupo de termos dik – particularmente o verbo dikaioo, “justificar” – é naturalmente traduzido como sendo “tratado como justo” ou “considerado como justo”, e que os leitores de língua grega de Paulo o teriam entendido desta forma. Isso pode ser verdade no nível puramente linguístico; entretanto, a preocupação dos cristãos gregos com a metáfora soteriológica fortemente transformadora da deificação parece ter levado ao tratamento da justificação em um sentido factitivo. No entanto, isso não deve ser visto como uma imposição conceitual ao pensamento paulino, mas antes um discernimento desse aspecto de sua narrativa soteriológica.

McGrath, Iustitia Dei, 36-37.

Em uma nota de rodapé, McGrath cita Michael Gorman e M. David Litwa: “Conforme argumentado por Gorman, Inhabiting the Cruciform God; Litwa; We Are Being Transformed.

Eu gostaria que McGrath pudesse ler nosso novo livro, Paul, A New Covenant Jew, no qual construímos sobre os argumentos de Gorman e Litwa, mas com um foco especial nas implicações de Jeremias 31 para a doutrina de Paulo sobre a justificação. Quem dera!

Tradução: Pablo Monteiro

Extraído de Dexteram Patris.

Fechar Menu