(11)-94234-6789 contato@devoltaaolar.org

ISIS executa empresário cristão sequestrado no Sinai do Egito
Jayson Casper

Família lamenta, mas celebra o martírio do avô copta que financiou a única igreja em sua cidade, para construir “uma casa no céu”.

Nabil Habashi Salama em sua igreja copta ortodoxa, Igreja de Santa Maria, Santo Abanoub e São Karas, em Bir al-Abd, Sinai Norte, Egito. 

O Estado Islâmico fez outra vítima cristã.

E a Igreja Copta Ortodoxa do Egito ganhou outro mártir.

“Estamos dizendo a nossos filhos que seu avô é agora um santo nos lugares mais altos do céu”, afirmou Peter Salama sobre seu pai, Nabil Habashi Salama, de 62 anos, executado pela filial do ISIS no norte do Sinai.

“Estamos muito felizes por ele.”

Os Salamas são conhecidos como uma das famílias coptas mais antigas de Bir al-Abd, na costa mediterrânea da Península do Sinai. Nabil era joalheiro e também possuía lojas de celulares e roupas na região.

Peter disse que o ISIS perseguiu seu pai por sua participação na construção da Igreja de Santa Maria na cidade.

Em um vídeo de propaganda de 13 minutos recém-lançado intitulado The Makers of Slaughter (ou Epic Battles), um militante cita o Alcorão para exigir a humilhação dos cristãos e seu pagamento voluntário de jizya – um imposto para garantir sua proteção.

 Nabil Habashi Salama, um cristão copta sequestrado de Bir al-Abd no Sinai do Norte, fala antes de sua execução no vídeo de propaganda de um afiliado egípcio do ISIS.

 

 

 

 

 

 

 

Nabil foi sequestrado há cinco meses na frente de sua casa. Testemunhas disseram durante sua resistência que ele foi espancado antes de ser jogado em um carro roubado. Pode ser que esses fossem sequestradores separados, porque no vídeo que mostra a execução de Nabil, ele disse que foi mantido em cativeiro pelo ISIS por 3 meses e 11 dias.

Em 18 de abril, ele foi baleado na nuca, ajoelhado.

“Conforme você mata, você será morto”, afirma o vídeo, dirigido a “todos os cruzados do mundo”.

Ele se dirige a todos os cristãos do Egito, alertando-os para não depositarem fé no exército. E os muçulmanos que apóiam o estado egípcio são chamados de “apóstatas”. Dois outros residentes do Sinai – membros da tribo que cooperaram com os militares – também são executados no vídeo.

Peter Salama disse que no esforço de tirar Nabil de sua fé, seus dentes foram quebrados.

A filha de Nabil, Marina, juntou-se à homenagem.

“Sentirei sua falta, meu pai”, escreveu ela no Facebook. “Você nos deixou orgulhosos durante sua vida com suas virtudes, e em seu martírio com sua forte fé.”

A Igreja Copta Ortodoxa emitiu uma declaração oficial, chamando Nabil de “um filho e servo fiel” que “aderiu à sua religião até a morte”.

Em seguida, reiterou o apoio ao exército e ao estado egípcios. Tais atos, afirmou, “apenas aumentarão nossa determinação para preservar nossa preciosa unidade nacional.”

No início deste mês, o Egito anunciou que mais 82 igrejas foram legalizadas, aumentando o total para 1.882 desde que uma lei corretiva foi aprovada em 2016.

Três militantes foram mortos, com outros três sendo perseguidos, afirmou o Ministério do Interior hoje, referindo-se a Nabil como um “cidadão”.

Mas o vídeo e a execução aumentam os temores de novas atividades do ISIS após um período relativamente longo de silêncio. Em 2017, a afiliada abriu fogo contra muçulmanos orando em uma mesquita de Bir al-Abd, matando mais de 300 no ataque terrorista mais mortal da história moderna do Egito.

No mesmo ano, eles também tiveram como alvo os cristãos que moravam nas proximidades de Arish, expulsando mais de 100 famílias de suas casas.

Desde então, o exército egípcio lançou uma campanha massiva para derrotar a filial local do ISIS, que nunca conseguiu tomar e manter o território. Em 2018, a segurança do estado anunciou que mais de 900 militantes foram mortos.

Bir al-Abd, Sinai do Norte, Egito Cidade onde o martirizado cristão copta Nabil Habashi foi sequestrado pelo ISIS.

Em 2019, as famílias cristãs começaram a retornar lentamente, embora nenhum número real estivesse disponível no momento da publicação. Em 2012, o bispo copta ortodoxo Cosman afirmou que havia 740 famílias cristãs em sua diocese do Sinai do Norte. Mas antes do êxodo, os oficiais da igreja declararam que o total caiu para apenas 160.

Hoje, as mulheres usam coberturas na cabeça para não se destacarem como cristãs. Depois de informar as autoridades sobre um pedido de resgate de $ 318.000 (a Associated Press informa $ 127.000), Peter disse, a segurança do estado disse a ele e sua família para se mudarem por segurança.

“Vivemos em ruínas depois de fecharmos nossos meios de subsistência”, disse ele à publicação copta Watani.

Dois outros coptas, sequestrados no Sinai no ano passado, foram recentemente libertados após o pagamento do resgate.

“O presidente Sisi se comprometeu pessoalmente a promover a coexistência pacífica entre cristãos e muçulmanos no Egito, e seu governo deu alguns passos encorajadores”, declarou Mervyn Thomas, presidente da Christian Solidarity Worldwide, oferecendo suas condolências à família Salama.

“[Mas] abduções destacam que muito mais deve ser feito para erradicar o sectarismo, proteger comunidades vulneráveis, promover a coesão social e defender os direitos humanos fundamentais para todos os egípcios.”

Enquanto isso, o presidente das Igrejas Protestantes do Egito ecoou os sentimentos dos coptas ortodoxos.

“Junto com o estado egípcio, enfrentamos todos os desafios e males com zelo”, disse Andrea Zaki ao Christianity Today, “e sempre e para sempre afirmamos nossa autêntica unidade egípcia”.

Peter Salama, no entanto, focou na eternidade.

“Não pense que estou construindo esta igreja para aqui”, lembrou-se de seu pai, Nabil. “Estou construindo para mim um lar no céu”.

E foi essa paz que permitiu a Nabil dizer a seu filho antes de sua execução, sob a coação de seus captores:

“Tudo está bem, graças a Deus.”

Tradução: Pablo Monteiro

Original: ISIS Executes Christian Businessman Kidnapped in Egypt’s Sinai

 

Fechar Menu