(11)-94234-6789 contato@devoltaaolar.org

A CHAVE ESSENCIAL PARA A TEOLOGIA CRISTà

Felix Just, SJ, Ph.D. (Padre jesuíta, Doutor em Filosofia pela Yale University)

Considere a seguinte proposição como uma chave para compreender a abordagem cristã adequada à teologia, especialmente, mas não apenas para os católicos:

A melhor resposta cristã para qualquer questão teológica é sempre “ambos/e”, ao invés de “uma coisa ou outra”.

À primeira vista, essa proposta pode parecer ridícula ou contraditória. Deus não é absoluto? Não existe apenas uma verdade em oposição ao erro? Na verdade, esta proposta não implica que uma afirmação e sua negação direta sejam ambas verdadeiras (“A é B” e “A não é B”). Obviamente, seria falso afirmar, por exemplo, que “Deus é amor” e “Deus não é amor”, ou “Jesus é divino” e “Jesus não é divino”. Além disso, esta proposta não se aplica a questões meramente históricas ou factuais: Em que ano nasceu Paulo? Qual era o nome da esposa de Pedro? Quantas pessoas viviam em Jerusalém?

No entanto, considere estas analogias: toda moeda tem um lado cara e um lado coroa; cada bateria tem um terminal positivo e um terminal negativo; a Terra tem um Pólo Norte e um Pólo Sul; toda vida tem alegrias e tristezas; cada pessoa tem pontos fortes e fracos; cada proposta tem vantagens e desvantagens. Da mesma forma, sempre há (pelo menos) dois “lados” ou “pólos” para a melhor resposta cristã a qualquer questão teológica. Esses pólos opostos podem parecer distantes e difíceis de manter juntos. Muitas vezes é difícil entender e equilibrar os dois lados de uma questão complexa, assim como não podemos ver facilmente os dois lados de uma moeda ao mesmo tempo (sem um espelho, pelo menos!). No entanto, os lados “opostos” raramente são realmente “contradições”, mesmo que possa haver algumas “tensões” fortes entre eles.

Por exemplo, os cristãos acreditam que Jesus é Deus e humano. Para um não cristão, isso pode parecer ridículo. Mesmo para um cristão, é difícil de entender ou explicar. Como algo ou alguém pode ser divino e humano? Ou como Deus pode ser transcendente e imanente? Ou como a Bíblia pode ser a Palavra de Deus e literatura humana? A criação e a evolução podem ser verdadeiras de alguma forma? A ciência e a religião podem ser reconciliadas? A resposta católica a todas essas perguntas é SIM, tanto um lado quanto seu oposto não apenas podem, mas devem ser mantidos juntos em tensão, mesmo que pareçam ser contraditórios, a fim de compreender toda a verdade, todo o complexo realidade.

Como os primeiros cristãos estavam tentando entender a natureza de Jesus e definir outras questões teológicas, eles geralmente rejeitaram as opiniões (mais tarde chamadas de “heresias”) daqueles que foram longe demais para um lado ou outro: por exemplo, aqueles que disseram que Jesus era humano, mas não totalmente divino (adocionistas), assim como aqueles que acreditavam que ele era totalmente divino, mas apenas parecia ser humano (docetistas).

Em algumas dessas questões, todos os cristãos (católicos, protestantes, ortodoxos) hoje concordam: Deus é transcendente/imanente, Jesus é divino/humano, etc. Em outras questões importantes, no entanto, alguns cristãos afirmam que apenas um lado é verdadeiro, mas não o outro. Os reformadores protestantes do século 16 enfatizaram cinco “solas” (palavra latina para “apenas”): sola scriptura (autoridade em “somente as Escrituras”, não também tradição); sola gratia (salvação por “Graça Somente,” e não também boas obras); sola fide (justificação “Somente a fé”, não também mérito); solus Christus (redenção pela morte salvadora de “Só Cristo”, não também ação humana); e solo Dei gloria ( “Glória de Deus somente”, não também para nós mesmos ou para o mundo). O catolicismo do século 16 certamente negligenciou algumas dessas verdades importantes (nem sempre na teoria, mas pelo menos na prática) e focou demais em seus pólos opostos (por exemplo, muita ênfase na tradição, com negligência das escrituras; muita confiança nas obras externas, com negligência da fé interior, etc.). No entanto, os esforços dos protestantes com reformas às vezes os levaram longe demais na outra direção.

Em vez de enfatizar demais um pólo e negligenciar o outro, o desafio na teologia cristã é sempre manter os dois pólos juntos, para manter um equilíbrio adequado entre os dois lados aparentemente opostos da verdade. Outra forma de expressar a posição “católica” (“abrangente” ou “universal”) seria dizer: “Não apenas, mas também…” Aqui está uma lista de apenas algumas questões teológicas e as melhores respostas cristãs, que incluem ambos os pólos:

Deus é tanto transcendente(além) quanto Imanente (dentro de)
Deus é tanto Natureza Divina quanto Três Pessoas Divinas (Trindade)
Deus é Todo-Poderoso Criador quanto Pai amoroso
Jesus é humano e Plenamente Divino
Jesus é tanto Filho de Maria quanto Filho de Deus
Jesus é tanto Messias dos judeus quanto Salvador de todas as nações
Maria é tanto Mãe de Deus quanto Mãe do (humano) Jesus
Religião cristão é baseada  tanto na  Escritura quanto na Tradição
a Bíblia é a Palavra de Deus(divinamente inspirada) e de autoria de seres humanos (limitação de idiomas)
A Bíblia contém verdades eternas e Materiais contingentes 
A Bíblia deve ser lida literalmente (como literatura) e interpretada espiritualmente (para a teologia e ética)
A Bíblia deve ser tanto Meditada em espírito de oração, quanto Estudada academicamente
A Bíblia é tanto usada por indivíduos quanto proclamada em Igrejas/Comunidades
A Bíblia contém uma unificada mensagem central e uma diversidade de Teologias especiais 
A Bíblia cristã contém ambos os Antigo Testamento e Novo Testamento
Todos os quatro Evangelhos são ambos históricos/biográficos e espiritual/teológico
A Igreja tem origem  tanto em Jesus quanto nos Apóstolos
o mais influente apóstolo era tanto Pedro como Paulo
a Igreja primitiva incluía tanto cristãos judeus quanto gentios cristãos
a Igreja é ao mesmo tempo um Mistério Divino e uma instituição humana
a Igreja é tanto um Universal “corpo de Cristo” quanto muitas Comunidades locais
a Igreja é tanto Santa (Espírito de Deus conosco) quanto Imperfeita (na necessidade de reforma em curso)
a Igreja precisa de ambos  tradicionalistas que preservam quanto dos visionários que inovam
a Eucaristia é ao mesmo tempo o Sacrifício de Cristo e uma refeição comunitária de ação de graças
A Eucaristia é tanto um memorial da Última Ceia de Jesus quanto um antegozo do Banquete Messiânico
A Missa inclui tanto Liturgia da Palavra (Escritura) e Liturgia da Eucaristia (comunhão)
Jesus é considerado tanto Sumo Sacerdote (oferecendo-se) e Vítima de sacrifício (morrendo na cruz)
sacerdócio de Cristo é a base  tanto do sacerdócio de todos os crentes quanto  do sacerdócio ministerial
a natureza humana é boa (criada à imagem de Deus) quanto pecadora (na necessidade de perdão)
os seres humanos podem encontrar Deus através de ambos oração (meditação, contemplação) e Ação (trabalho, serviços)
o foco da nossa vida pode ser  tanto no mundo atual (a vida reta) quanto no mundo Vindouro (ir para o céu)
o grande mandamento é tanto amar a Deus quanto amar a todos (próximo, inimigos, e a si mesmo)
Nós podemos receber o perdão de nossos pecados tanto diretamente de Deus (em oração) quanto através de Ministros da Igreja (sacramentos)
Como seres humanos, somos tanto pessoas individuais quanto seres sociais  em famílias e comunidades
como seres humanos, somos ambos livres para fazer a nossa própria escolha  e obrigados a escolher o que é bom/certo
Para viver eticamente, devemos seguir tanto nossa própria consciência quanto os ensinamentos oficiais da Igreja.
Somos formados e influenciados pela tanto Natureza (hereditariedade/genética) quanto pela Criação (meio ambiente/sociedade).
Para sermos salvos, devemos ambos acreditar(ter fé) e colocar a fé em Prática (fazer boas obras)
a nossa salvação é um resultado  tanto da Graça de Deus (um dom gratuito) quanto de nossa Cooperação (aceitando o dom)
a fé é um dom de Deus para nós e uma resposta humana a Deus
Fé é tanto Confiar e ter relacionamento com Deus/Jesus quanto ser obedientes, ter assentimento a doutrinais e verdades
Nós podemos conhecer a Deus através de ambos e razão
Nossas vidas religiosas abraçam tanto Teologia (a mente) e espiritualidade (o coração)
a prática da religião inclui tanto Fé (crença pessoal) quanto A justiça (ação social)
oração inclui tanto falar a Deus (oração vocal) quanto ouvir a Deus (oração contemplativa).
Nosso mundo pode ser compreendido  tanto pela religião quanto pela ciência.
A origem do mundo pode ser explicada  ambos pela Criação Divina quanto pela Evolução Natural 
Nosso relacionamento com a Terra envolve tanto Cuidar do Ambiente quanto Usar os recursos do mundo
reinado de Deus, como pregado por Jesus, é ao mesmo tempo uma realidade presente e uma espera pelo cumprimento futuro
a morte física é tanto o fim da vida mortal quanto uma transição para a vida nova/Imortal
Nós respondemos a morte de entes queridos  tanto com lamentação por nossa/sua perda quanto com alegria por sua nova vida com Deus
a vida após a morte pode ser pensada  tanto como Ressurreição do corpo quanto imortalidade da alma
o fim do mundo pode tanto vir logo quanto estar longe
Jesus ressuscitado está tanto Presente, ainda conosco (cf. Mt 28) quanto subiu, mas irá voltar de novo (cf. Lucas 24)
No Dia do Juízo Final Deus será ao mesmo tempo misericordioso e justo
Juízo Final será tanto Individual/particulares quanto Geral/Universal
Teologia Cristã abrange tanto a Via Positiva (o que pudermos saber) e a Via Negativa (o que não podemos saber).

A lista poderia continuar indefinidamente, mas espero que você tenha entendido. Assim como toda moeda tem dois lados, a resposta católica a qualquer questão teológica não se satisfaz com escolhas “uma coisa ou outra”, com respostas que consideram apenas um lado. Uma teologia católico-cristã autêntica sempre tenta compreender os dois lados de uma realidade em toda a sua complexidade e evita enfatizar excessivamente um lado e negligenciar o outro, o que leva não apenas a distorções da verdade, mas também a consequências infelizes na prática.

Claro, nem tudo é melhor descrito em pares complementares, mas também pode envolver tríades ou combinações mais complexas. Aqui está uma pequena lista de algumas tríades ou “três” que são importantes na religião cristã:

Deus é Um, mas também Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo
Deus tem três funções principais: Criador, Redentor e Santificador.
Jesus é ungido em três funções: Sacerdote, Profeta e Rei.
A Bíblia Hebraica tem três partes: Torá/Lei Nevi’im/Profetas e Khetuvim/Escritos
Três patriarcas fundadores de Israel: Abraão, Isaque e Jacó.
Três discípulos principais de Jesus: Pedro, Tiago, e João
Três anjos na Bíblia: Miguel, Gabriel e Rafael
Três sacramentos de iniciação: Batismo, Confirmação e Eucaristia
Três aspectos da natureza humana: corpo, alma e espírito
Três modos tradicionais de oração: oratio, meditatio e contemplatio
Três virtudes teologais: fé, esperança e amor
A comunhão dos santos inclui passado, presente e futuro
O mandamento do amor inclui o amor a   Deus, aos outros e a si mesmo

Assim como grupos de quatro pessoas ocorrem com frequência na cultura antiga e popular (quatro temporadas: primavera, verão, outono, inverno; quatro direções: N, S, L, O; quatro elementos: terra, vento, água, fogo), alguns dos aspectos mais importantes do cristianismo bíblico e pós-bíblico vêm em grupos de quatro:

Quatro seções principais do Antigo Testamento cristão: Pentateuco/Lei Livros históricos Livros Livros sapienciais  proféticos
Quatro seções principais do Novo Testamento cristão: Evangelhos Atos Cartas/Epístolas Apocalipse
Quatro rios no paraíso (Gênesis 2: 10-14): Pison Gihon Tigre Eufrates
Quatro mães das 12 tribos de Israel: Léa Raquel Zipora Bila
Quatro grandes profetas no Antigo Testamento: Isaías Jeremias Ezequiel Daniel
Quatro Evangelistas e Evangelhos no Novo Testamento: Mateus Marcos Lucas João
Quatro “criaturas vivas” (Ezequiel 1: 1-14 e Apocalipse 4: 7): Humana Leão Boi Águia
Quatro tipos de solo na semeadura/semente (Marcos 4): caminho percorrido solo rochoso  ervas sufocando daninhas bom/rico
Quatro pares de bem-aventuranças e desgraças em Lucas 6: pobre/rico faminto/cheio de choro/riso injuriado/honrado
Quatro cavaleiros e pragas no Apocalipse (Apocalipse 6: 1-8): branco: peste vermelho: a guerra preto: a fome verde: morte
Quatro virtudes cardeais (pós-bíblica): prudência justiça fortaleza temperança
quatro “notas” que descrevem a Igreja: Uma Santa Católica Apostólica
Quatro tipos principais de oração (At): Adoração/ elogio Contrição/penitência Ação de graças/ gratidão Súplica/petição
quatro partes principais da Missa: Ritos de Entrada  Liturgia da Palavra liturgia eucarística Ritos de conclusão 
Quatro maneiras que Jesus está presente durante a Missa: Assembleia (corpo) Presidindo (cabeça) Palavra (escritura) Eucaristia (Comunhão)

Finalmente, visto que a realidade da vida é frequentemente muito mais complexa, pode-se facilmente compilar listas muito mais longas de atributos, qualidades, partes ou outros itens que descrevem uma certa realidade. Basta pensar na tabela periódica dos elementos da química, ou nos tipos de esportes disputados nas olimpíadas, ou nos nomes de todos os estados ou províncias de um determinado país, e assim por diante. A Bíblia contém algumas listas significativas que ilustram a maior complexidade de certos aspectos da verdade divina e da vida humana:

  • Sete Abominações ao Senhor: “olhos altivos, uma língua mentirosa e mãos que derramam sangue inocente, um coração que concebe planos perversos, pés que pressa em correr para o mal, uma testemunha mentirosa que testemunha falsamente e uma que semeia discórdia em uma família.” (Pv 6:16-19)
  • Sete Dons do Espírito: “sabedoria, compreensão, conselho, fortaleza, conhecimento, piedade e temor do Senhor” (Isaías 11: 1-3a, nas antigas versões grega e latina)
  • Sete marcos da Unidade Cristã: um corpo, um Espírito, uma esperança, um Senhor, uma fé, um batismo, um Deus e Pai de todos (Ef 4: 4-6)
  • Sete Selos, Sete Trombetas, Sete Taças, Sete Pragas, etc;
  • Sete “Pecados Capitais”: orgulho, avareza/ganância, inveja, ira/raiva, luxúria, gula, preguiça (pós-bíblico; cf. Rm 1: 29-31)
  • Sete “Virtudes cardeais”: humildade, generosidade, amor, bondade, autocontrole, temperança, zelo (pós-bíblico; cf. Col 3: 12-17)
  • Oito bem-aventuranças: ver Mt 5: 1-12
  • Oito ofícios na Igreja primitiva: “E Deus designou na igreja primeiros apóstolos, segundos profetas, terceiros mestres; depois atos de poder, depois dons de cura, formas de assistência, formas de liderança, vários tipos de línguas.”(1 Cor 12,28; cf. Ef 4:11)
  • Nove frutos do Espírito: “amor, alegria, paz, paciência, bondade, generosidade, fidelidade, mansidão e autocontrole”(Gal 5: 22-23)
  • Dez Mandamentos: ver Êxodo 20: 1-17 e Deuteronômio 5: 6-21; 
  • Doze Tribos de Israel
  • Doze Apóstolos de Jesus

Tradução: Pablo Monteiro

Publicação original: The Essential Key to Christian Theology

 

Fechar Menu